CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 8 de março de 2013

HOMENAGEM ÀS MULHERES


Olá amigos,
Bom-dia!!!!
Segue o meu poema em homenagem a mulher.
Meu abraço,
Dalinha


TODAS AS MULHERES
*
Mulher melindrosa
Bonita e faceira
Safada brejeira,
Rude perigosa
Desfila garbosa
Com sua bandeira
Na missa na feira
No lar no bordel
Cumpre seu papel
Com ar de guerreira.
*
Mulher mal-amada
Sem eira nem beira
Que fala besteira
E desatinada
Se diz estudada
E bate no peito
Botando defeito
Em tudo que ver
Não sabe crescer
Mas deve ter jeito.
*
Mulher atrevida
 Que rir e graceja
Que toma cerveja
Que é seduzida
Que gosta da vida
De amor e paixão
Sem elo ou prisão
Tem autonomia
E sem ser vadia
Respira emoção.
*
A mártir do lar
Mulher não quer ser
Aprendeu bater
Pra não apanhar
Se o homem tentar
Ele entra na lenha
Maria da Penha
É lei que vigora
Quem bate agora
Algema desenha.
*
Mulher quer carinho
Não foge do laço
E sem embaraço
Refaz seu caminho
Quer flor sem espinho
E quer ser querida
Ser reconhecida
Em tudo que faz
Ser igual lhe apraz
Por ser aguerrida.

--

Dalinha Catunda
www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.cordeldesaia.blogspot.com

Literatura de Cordel reforça conquista das mulheres (RN)

Ação proposta pela deputada estadual Márcia Maia objetiva chamar atenção das pessoas para os direitos das mulheres. Foto: Wellington RochaAção proposta pela deputada estadual Márcia Maia objetiva chamar atenção das pessoas para os direitos das mulheres. Foto: Wellington Rocha

“A Lei Maria da Penha / é um marco na história / de resistência e de luta / Somente agora com glória / vamos juntas divulgar / consolidando a vitória”. Os primeiros versos da Literatura de Cordel representam uma das maiores conquistas das mulheres diante da sociedade. Produzido por cordelistas do Estado, de autoria de Josenira Fraga e Abaeté do Cordel, os versos que se estendem em pequenas páginas foram difundidos em uma ação que visa passar informação sobre a Lei Maria da Penha, como forma de identificar e combater a violência contra mulher.

A proposta da ação é da deputada estadual Márcia Maia (PSB), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, que mobilizou diversas pessoas como uma tentativa de chamar atenção para os direitos das mulheres. Na manhã desta quinta-feira, a parlamentar e membros do gabinete distribuíram o Cordel para as pessoas que passavam pelo Centro de Natal.

O texto entregue à população trata de forma bem humorada, porém direta, sobre os vários tipos de violência em que inúmeras mulheres são submetidas e como elas podem agir para confrontar o problema. Além disso, a publicação em forma de literatura traz a divulgação do número da Central de Atendimento à Mulher, 180 – linha direta para denúncias de casos de violência contra a mulher.

Para a deputada Márcia Maia, a divulgação da lei é de grande importância, já que se trata de uma importante conquista do segmento feminino. “A mulher sofria não só de violência física, como também violência psicológica, sexual e até violência patrimonial.

Entretanto, a punição aos agressores era praticamente simbólica, sendo apenas prestação de serviço à comunidade e pagamento de cesta básica”, disse.

“A Lei Maria da Penha, além de instituir toda a política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica, também institui uma punição mais rigorosa aos agressores. O homem nunca chegava a ser preso. Agora, o homem que for pego em flagrante ou responder processo que comprove a agressão poderá pegar até três anos de prisão”, afirmou.

Abordada pela ação da deputada estadual, Josilma Gomes, de 52 anos, conta que já foi vítima de violência durante um relacionamento que durou mais de 12 anos. “O meu ex-marido, com quem convivi por muitos anos, me agrediu fisicamente uma vez. Desde esse dia as agressões verbais tornaram-se constantes, até que eu resolvi me libertar. Saí de casa e criei nossos dois filhos sozinha. Eu sabia dos meus direitos e por isso resolvi denunciar. Hoje ele nem chega perto de mim. Toda mulher que já foi vítima de agressão deve ficar sempre atenta”, alertou.

Segundo a deputada, as discussões e informações sobre a Lei dão mais coragem às mulheres para que elas possam denunciar os abusos. “Elas devem saber que contam com o apoio da Lei Maria da Penha. Através da Comissão de Direitos Humanos, nós fizemos um trabalho para efetivar essa lei, pois, para que ela funcione, é necessário que haja juízes especiais de violência doméstica contra mulher”, disse.

Atualmente, o Estado conta com três juizados especiais que defendem o caso, sendo um em Natal, em Mossoró e outro em Parnamirim. “Além disso, o Ministério Público implantou a Promotoria de Violência Doméstica Contra a Mulher, que também vai ajudar no combate a violência”, afirmou Márcia Maia.

Fonte:Jornaldehoje.com.br

sábado, 2 de março de 2013

MUSEU AMAZÔNICO APRESENTA LITERATURA DE CORDEL–Manaus (AM)

Museu Amazônico apresenta literatura de cordel

Fonte: Jornal do Povo New Mascate.com.br

O Museu Amazônico prepara o lançamento de uma coletânea de textos em cordel do poeta baiano Valmir Pereira dos Santos. O evento acontece nos dias 5 e 6 de março.
De acordo com o cordelista, a coletânea 'O cordel é um jornalismo em versos' é fiel ao trabalho que o artista já realiza, mesclando jornalismo, política e arte."De fato, o cordel é um jornalismo em versos. Isso se comprova historicamente: na época das caravelas, os fatos que aconteciam durante as expedições eram relatados à coroa em forma de versos", disse.
Os primeiros trabalhos de Santos apareceram em 2001. Ele foi premiado na cidade de Cedro, interior do estado do Ceará, com o tema 'Diálogo das Raças'. É do poeta também a autoria de 'Lula Antes, Lula Depois' e 'Homens de Bem sobre a Mira do Mal', lançados em 2004. Em 2005, o escritor produziu 'A Indústria da Fé', 'O Preço da Mentira' e 'O Mensalão'.
No ano seguinte, Santos lançou 'A Saga dos País do Faz de Contas' e 'Canções de Amor', entre outros. Atualmente, o cordelista, além de escritor, atua como palestrante de literatura de cordel e promove oficinas de literatura, canto, música. Além disso, ele também palestra sobre o combate à violência e ao consumo de drogas.