CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

terça-feira, 27 de outubro de 2015

HUGO MOTA: O DEPUTADO DA PIZZA (PARTE FINAL)

Por Manoel Belizario

Irei relatar agora
Quanto a CPI gastou
Dizendo estar trabalhando
Mais uma vez enganou
A população, coitada
Que está pra lá de abismada
Com a coisa como passou.
***
Gastaram dinheiro a fole,
Como se diz no sertão,
Com viagens e um contrato:
Nada menos que um milhão
E meio e o resultado
Deixa o povo envergonhado.
É triste a situação.
***
         

Mas a vergonha maior

É ver que a principal,
A classe de Hugo Mota,
De político em geral,
Não sofreu um arranhão
Mesmo sabendo que estão.
No meio do lamaçal.


A missão de Hugo Mota
Não custa nada dizer:
Reunir situação
E oposição pra fazer
O famoso acórdão
E tal negociação
 Só fez o Brasil perder.

***

Assim Eduardo Cunha,
Amiguinho de Hugo Mota,
(E tantos outros corruptos,
Congressistas da patota)
Sai da CPI ileso
O cidadão diz é peso
O que tal ação denota.

***

Chego ao final do poema
Com vergonha e embaraço,
Enquanto Huguinho despeja
Sorrisos, beijos e abraço;
Achega-se ao cidadão
Com uma pizza na mão
Dizendo: “quer um pedaço?”

Parte I

Um comentário: